Dias em que a chuva cai

23 de novembro de 2012 § Deixe um comentário

Comendo pão de fibras e tomando guaraná. Conversando com gente que nem conheço direito. Pela internet, pela janela.
Pelos momentos bons de se lembrar. Pelos pelos meus em sua pele pura e nua. Coisas de fazer morrer de rir. Meias palavras
para sensações inteiras. Um pouco de pressão alta, um pouco de indigestão.

Assinando papéis de outras pessoas como quem a elas devesse, ou como quem com elas se comovesse. Controlando as palavras
e escolhendo as horas mais impróprias para ser o necessário. Eu quero um copo de cerveja para tomar depois de te comer.
Aperitivo de dias quentes. Cobertor dos meus dias frios. Guarda-chuva de canivete.

Podem até brigar, e uma hora dessas podem me fazer lembrar. Como se eu pudesse esquecer as loucas horas que de pouco em pouco
me fizeram ser mais nós do que eu mesmo. Quase um pirulito de pimenta, temperado na radioatividade de seu pouco humor, seu pouco amor
e nossa pouca habilidade em estar juntos. Ainda bem que o céu abre de vez em quando.

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para novembro, 2012 em CONTRADITÓRIO.